Campinas   (19) 3029-9657 Whatsapp São Paulo   (11) 5575-2192 Whatsapp

Receba Informações sobre a Halitose
e os Caminhos para Solucioná-la

OK
 

Halitose ainda é cercada de mitos

Halitose ainda é cercada de mitos

Especialista destaca o estresse e outros dados importantes

Em 2004, a Associação Brasileira de Pesquisas e Estudos dos Odores Bucais (ABPO) desenvolveu uma pesquisa em âmbito nacional, entre médicos e dentistas, com objetivo de avaliar o conhecimento dos profissionais quanto às principais causas da halitose e seus respectivos tratamentos. Ela apontou uma grande surpresa: existem profissionais defendendo o mito de que o estômago é o grande causador deste distúrbio, adotando procedimentos terapêuticos ineficazes. Mas a verdade é outra. Mais de 90% dos casos de halitose são oriundos de problemas bucais, 5% por afecções nas vias aéreas superiores e menos de 0,1% de problemas de estômago.(detalhes no www.abpo.com.br/pesquisas).
 
"A halitose é uma alteração patológica ou não que ocorre no ar expirado, que pode se tornar crônica. Sabemos que mais de 30% da população brasileira é portadora de halitose (Tárzia O, 1998), igualmente distribuída entre homens e mulheres, acometendo mais comumente adultos e idosos. Infelizmente, estes pacientes ainda desconhecem as verdadeiras causas de suahalitose e as perspectivas de tratamento", diz Dr. Maurício Duarte da Conceição, atual membro do conselho consultivo da ABPO, e um dos na qual serão levantados os dados pertinentes a seu histórico médico (função pulmonar, gástrica, intestinal, renal, cardíaca, etc.) e odontológico. Em seguida, passa por exames específicos como a Sialometria (avaliação do fluxo salivar e funcionamento das glândulas salivares), Halitometria (medição dos gases que provocam a alteração do hálito através de um aparelho denominado Halimeter), teste de glicemia e, se necessário, um teste para avaliai o nível de estresse. Normalmente o paciente
sente uma grande melhora nos primeiros 10 dias, e a duração do tratamento varia de 1 a 3 meses aproximadamente.

Não se pode considerar a halitose como uma doença, apesar do sufixo ose (alteração patológica). Trata-se de um sintoma ou um sinal que avisa algum desequilíbrio orgânico presente. Normalmente, o mau-hálito acompanha alguma alteração patológica (diabetes, nefropatias, etc.), metabólica (estresse, uso de medicações, hipoglicemia, dietas prótéicas, problemas hepáticos, etc.), ou algum desequilíbrio de ordem local (baixo fluxo salivar, saburra lingual, cáseo amigdaliano, doença periodontal, etc.).

O estresse é um dos fatores da halitose. Ele provoca no organismo inúmeras reações químicas importantes. Uma delas é a liberação dos hormônios adrenalina e cortisol, que causam algumas reações significantes como o aumento dos batimentos cardíacos e da freqüência respiratória, e a diminuição do fluxo salivar (hipo-salivaçâo). Esta, por sua vez, leva a um aumento da concentração de mucina, proteína presente na saliva, responsável pela sua viscosidade, proporcionando uma saliva mais espessa e pegajosa.

Este quadro favorece a formação de placa bacteriana sobre o dorso da língua, chamada de saburra lingual, grande causadora do mau hálito. Pacientes estressados entram mais facilmente em carência de vitaminas, pois elas são rapidamente consumidas para suprirem as necessidades estabelecidas em uma situação de estresse. A carência de certas vitaminas como, por exemplo, as vitaminas A e D, pode desencadear um aumento de descamaçâo de células da mucosa oral acima do considerado fisiológico e, conseqüentemente, aumentar a formação de placa bacteriana, daí gerar halitose.

Os alimentos fibrosos, devido à sua consistência enrijecida, proporcionam um aumento do fluxo salivar por requerer um maior tempo de mastigação para que o alimento possa ser deglutido. Todos os alimentos que requerem mais mastigação, ou seja, que não são tão fáceis de serem deglutidos, estimulam a glândula-salivar a desenvolver um trabalho mais intenso e, daí, produzir mais saliva. Além disso os alimentos mais fibrosos promovem uma auto-limpeza na boca devido ao atrito que elas provocam nos tecidos bucais, nos dentes e, principalmente, na superfície lingual, diminuindo a retenção de alimentos e a placa bacteriana sobre estas superfícies.

CAMPANHA DE PREVENÇÃO
A partir do momento da identificação das causas da halitose e da constatação que existe algum envolvimento de alterações de ordem sistêmica, o paciente é encaminhado para o profissional específico. Em geral, são aplicados respiradores bucais ou roncadores que necessitam de um acompanhamento otorrinolaringológico e tratamento específico para melhorar sua condição respiratória e conseqüentemente reduzir a formação de placa bacteriana que é agravada nestes casos.Em alguns poucos casos, um acompanhamento psicológico é receitado.

Desde 2000, no dia 22 de setembro, a ABPO promove o Dia Nacional de Combate ao Mau Hálito. Os CDs podem ajudar nesse esforço de conscientização. Para maiores informações, www.abpo.com.br; www.mauhalito.com.br; www.halito.com.br


Voltar

Conheça nossos clientes e saiba o que eles pensam sobre a Clínica Halitus

Veja todos os depoimentos

Nossos endereços

São Paulo

São Paulo

Endereço

Rua Apeninos, 930 - Conjunto 42 - Metrô Paraíso


Como chegar

Desça na estação Paraíso do Metrô, pegue a saída da Rua Dr. Eduardo Amaro, vire a direita. Na próxima esquina vire à direita de novo; o prédio da Clínica fica no meio da quadra.

Resp. Téc.: Luciana Sassa Marocchio
CRO SP: 79.084

Veja o mapa

Campinas

Campinas

Endereço

Rua Avelino Silveira Franco, 149 - Bloco 2 - Sala 366 - Condomínio de Escritórios L'Oficce - Ville Sainte Helene


Como chegar

Estrada Campinas - Sousas; Av. Dr. Antônio Carlos Couto de Barros/Rodovia José Bonifácio Coutinho Nogueira, em frente ao Clube Cultura e à SANASA.

Resp. Téc.: Maurício Duarte da Conceição
CRO SP: 34.205

Veja o mapa

Whatsapp
Fale com a Clínica Halitus


São Paulo
+55 11 94764-2935

Campinas
+55 19 97404-1126